Tuesday, May 12, 2009


Esse é o mascote que criei para a logo do restaurante Amaretto, daqui de Uberlândia.

Foi bem divertido fazer esse trabalho e achei o resultado legal.
Eles usaram essa versão preto e branco, mas fiz uma versão colorida, posto aqui depois.

Wednesday, April 08, 2009

Eu sempre falo do tempo que estudei na Quanta.
Entrei lá em Março de 2004 e fiquei até Agosto de 2005 ( se não me falha completamente a memória).

Logo que entrei, eu me achava o fodão. Eu achava que desenhava demais!!

De cara, vi que a maioria do pessoal não só era muito mais humilde e gente boa que eu, mas desenhava muito!!!

Um desses era o Bruno Okada. Ele o Klayton Luz sempre sentavam um do ladod o outro (logo atrás de mim). Os "canhotos" da sala eram os melhores desenhistas que eu já tinha visto desenhar ao vivo.

Eu sempre tive vontade de conseguir fazer um desenho e, a pessoa que olhar, sentir algo.
O Bruno é assim. Ele desenhava com uma inocência, uma facilidade que eu sabia que só morrendo e nascendo de novo pra eu conseguir desenhar igual.

Alguns anos depois, o cara veio falar comigo no msn e pedi um site ou um blog pra eu poder ver como andava.
Ele mandou isso aqui: http://www.brunookada.com/

O desenho dele tá mais maduro (o que obviamente, prova que ele também) e continua com a mesma beleza e sensibildiade de antes. Com a difeença que agora, a sensação de quando olho o desenho dele, é algo extremamente confortável. Até carinhoso.

Eu torço muito pra esse cara produzir milhões de livros infantis com essas ilustrações magníficas.

Valeu, Brunão! Foi um prazer estudar com você, cara!

Tuesday, March 17, 2009



Esse é um filme chamado Zeitgeist.
A gente sempre lê, assiste, tenta estudar, compreender.
Sem querer, as vezes nos apegamos a um ensinamento, religião, partido político, programa de TV ou qualquer outra coisa que simplesmente nos foi colocado (e não desenvolvido por nós, ou com nossa participação).

Nos apegamos por acharmos que estamos seguros.
Nos apegamos a um amigo.
Uma bela idéia.
Uma idéia de conspiração.

E é claro que tudo isso passa. Se apegar, é distrair a cabeça de qualquer coisa qeu não seja você mesmo e suas relações com tudo.

Muitos de nós vvão assistir este filme e vê-lo como mais uma coisa a se agarrar. A se prender e passar a carregar como uma nova forma de pensamento.

Ao contário, que esse filme (e tudo mais que a gente ler, assistir e "aprender") seja só uma pequena parte de um todo que forma a maneira como pensamos e agimos. Uma pequena parte (tão pequena) que deva ser pedaço de uma grande parte chama vivência, sobrevivência e observação.

É vivendo, experimentando, bebendo, cheirando, comendo que somos capazes de realmente entender como tudo funciona.
Tudo não passa de uma grande distração pra que sejamos espectadores não só do que assistimos, mas do que vivemos.